ACESSO DO PACIENTE



Leia Nossas Dicas!

 

PREVENÇÃO AO SUICÍDIO

PREVENÇÃO AO SUICÍDIO

Não há dúvidas de que é preciso sensibilidade para lidar com uma pessoa com ideação suicida. No Brasil, a cada 45 minutos, uma pessoa é vítima de suicídio.
Segundo dados da OMS, 9 de cada 10 suicídios poderiam ser evitados, se fornecido tratamento e apoio adequados.
 

PREVENÇÃO:
Ajudar um amigo suicida ou familiar, Esteja em silêncio e escute!
Se alguém está deprimido ou pensa em suicídio, a nossa primeira resposta é tentar ajudar.
Damos conselhos, partilhamos as nossas experiências, tentamos encontrar soluções.
É melhor estarmos calados e ouvir. Quem pensa em suicídio não quer respostas ou soluções. Querem um espaço seguro para exprimir os seus medos e ansiedades, para serem eles próprios. Ouvir, ouvir realmente e controlar o impulso de dizer alguma coisa, fazer um comentário, contar uma história ou dar conselhos. Ouvir não só os fatos que a pessoa contar como também os sentimentos que estão por trás. Compreender as coisas do ponto de vista dela e não através do seu.
 

COISAS QUE DEVE SE LEMBRAR, SE VAI AJUDAR ALGUÉM QUE PENSA EM SUICÍDIO:


O QUE AS PESSOAS QUE PENSAM EM SUICÍDIO QUEREM?

Alguém que ouça.
Alguém que tenha tempo para as ouvir realmente. Alguém que não as julgue, não dê conselhos nem opiniões, mas que lhes dê toda a atenção.
Alguém em quem confiar.
Alguém que as respeite e não as tente controlar. Alguém que mantenha a confidencialidade. Alguém que se interesse.
Alguém que se disponibilize, que as tranquilize e fale calmamente. Alguém que as aceite e acredite.
 

O QUE AS PESSOAS QUE PENSAM EM SUICÍDIO NÃO QUEREM?
Estar sozinhas.
A rejeição pode fazer com que o problema pareça muito pior. Ter alguém a quem recorrer pode fazer toda a diferença. Escute apenas.
Ser aconselhadas.
Dar sermões não ajuda. Nem sugerir "anime-se", ou simplesmente dizer que "vai ficar tudo bem".
Não analise, compare, classifique ou critique. Escute apenas.
Ser interrogadas.
Não mude de assunto, nem as inferiorize. Falar de sentimentos é difícil. As pessoas que pensam em suicídio não querem ser apressadas ou colocadas na defensiva. Escute apenas.
 

A PARTIR DISSO, COMO AJUDAR PESSOAS COM PENSAMENTOS SUICIDAS?
1) Fique atento ao que é dito nas entrelinhas:
Quem sofre com pensamentos de ideação suicida enfrenta tabus, tendo muita dificuldade para falar sobre o assunto. Na grande maioria das vezes, os pedidos de ajuda não são expressos de forma tão clara e objetiva, em frases como "estou pensando em me matar".
Considere como sinais de alerta comunicações verbais e não verbais:
• alertas verbais: falas que remetem ao fim de sua vida, como "meu desejo é dormir e não acordar mais", "tenho vontade de sumir", "quero deixar de ser um peso na vida das pessoas", "este mundo não tem um lugar para mim";
• alertas não verbais: pessoas que passam muito tempo introspectivas enquanto se debruçam em janelas, dirigem em alta velocidade sem se preocupar com questões de segurança, escrevem textos, poemas ou pensamentos deprimidos, fazem desenhos que remetem à presença da morte, entre outros.
 

2) Falar é a melhor solução:
Quando nos deparamos com assuntos delicados, estamos propensos a sugerir alternativas que distraiam aquele que está em sofrimento. Ao invés de buscar sorrisos ou propor um passeio para "esquecer dos problemas", proporcione um espaço para que aquele que sofre consiga compartilhar suas emoções e pensamentos. Isso permite que as dores emocionais sejam aliviadas, e a mente comece a ser esvaziada.
O suicídio seria a "gota d'água" e o espaço que você proporciona ao ouvir sobre o íntimo emocional do outro previne que suas emoções transbordem.
 

3) Exercite a empatia para não menosprezar o sofrimento do outro:
É frequente que, ao sentir confiança para desabafar sobre suas emoções e pensamentos, a pessoa se depare com comentários do tipo "não fique assim, isso é bobagem e logo passará". Ou então: "você está fazendo tempestade em um copo d'água, isso tudo passará com o tempo".

Tais comentários servem apenas para reforçar o mal-estar de quem está em sofrimento. A pessoa
sente-se ainda mais culpada por suas emoções, o que amplia seu sentimento de incompreensão. Mesmo que não considere preocupante o que vem incomodando quem está sofrendo, são essas as razões que o leva a pensar em desistir de sua vida. Portanto, trate-as com seriedade.
Sofrimento é sofrimento, independente da razão. Exercite sua empatia, acolhendo e demonstrando compreensão, expressando por exemplo: "eu entendo que tudo que você está sentindo e vem passando, é muito doloroso. Como posso te ajudar?". Desta forma, minimiza-se a sensação de sentir-se invisível, fortalecendo sua identidade, o que aumentam suas perspectivas de futuro.
 

4) Respeite o tempo do outro:
Mesmo em tratamento, questões que desencadeiam sofrimentos tão intensos levam tempo para serem tratadas e estabilizadas. Esse tempo é difícil de ser compreendido por aqueles que não compartilham da dor. Daí advém falas de motivação inadequadas, como "você precisa se esforçar mais".
Respeite o tempo do outro, e ajude demonstrando-se disponível para apoiá-lo em tudo o que for necessário: "independentemente do tempo que leve, estarei aqui para acompanhá-lo e ajudá-lo".
 

5) Busca de apoio profissional:
É comum que sejam dadas orientações sobre a busca de ajuda profissional, porém, quando não existem perspectivas de futuro, ao sentir-se submerso em suas emoções, buscar apoio profissional é um passo que dificilmente as pessoas com ideação suicida costumam conseguir dar por conta própria.
Ao invés de dizer: "você precisa procurar ajuda", tenha uma postura com mais iniciativa. Trate de liderar esse passo tão crucial: "quero ajudá-lo e, por isso, vou agendar uma consulta com um profissional da saúde para você. Se preferir, vou gostar de acompanhá-lo neste momento".
 

ALGUNS CONTATOS QUE PODEM AJUDAR:
PREVENÇÃO DE SUICÍDIO - CENTRAL DE AJUDA DO FACEBOOK
SERVIÇO DE PREVENÇÃO DO SUICÍDIO CVV -VOCÊ NAO ESTA SOZINHO, LIGUE 141 TELEFONE DA AMIZADE 22 832 35 35
LEIA MAIS: SETEMBRO AMARELO: MÊS DE PREVENÇÃO AO SUICÍDIO

 

Artigo escrito por Renata R. Arnoni - Psicóloga - CRP/SP: 112490

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

SETEMBRO AMARELO - MÊS DE PREVENÇÃO AO SUICÍDIO

 

SETEMBRO AMARELO: MÊS DE PREVENÇÃO AO SUICÍDIO
A OMS reconhece o suicídio como uma prioridade de saúde pública!

• Aproximadamente 800 mil pessoas morrem por suicídio a cada ano.
• O suicídio é a 2a principal causa de morte entre os jovens com idade entre 15 e 29 anos • 78% dos suicídios no mundo ocorrem em países de baixa e média renda.
• cerca de 30% dos suicídios globais acontecem por auto envenenamento com pesticidas
enforcamento e armas de fogo.
Neste ano, o lema da campanha da OMS é “Doe um minuto de seu tempo. Mude uma vida”. O objetivo é conscientizar a população de que o suicídio pode ser prevenido.
(dados da OMS)
 

GRUPO DE RISCO

Pessoas em depressão
Abuso de álcool
Impulsividade em momento de crise
Colapso na capacidade de lidar com os estresses da vida (problemas financeiros, términos de Relacionamento, dores crônicas, doenças, o enfrentamento de conflitos, desastres, violência, abusos físico ou emocional, perdas e sentimento de solidão
 

SUICÍDIO: MITOS & REALIDADES
Mitos:
1. Pessoas que falam em suicídio não têm intenção de se matar, apenas estão em busca de atenção.
2. A maioria dos suicídios acontece sem qualquer tipo de aviso ou sinalização.
3. Somente pessoas com transtornos mentais cometem suicídio.
4. Conversar sobre suicídio pode encorajar o ato.
5. Suicídio é um ato de covardia, de falta de Deus no coração
AFIRMAÇÕES ASSIM NAO AJUDAM EM NADA!!!
Realidades:
1. A maioria das pessoas que falam sobre suicídio realmente comete o ato.
2. A maioria dos suicídios é precedida por sinais discretos de falas e comportamentos.
3. A pessoa em risco de suicídio apresenta ambivalência entre querer viver e morrer.
4. O comportamento suicida é provável em casos de sofrimento intenso e intolerável, independentemente da presença de transtornos mentais.
5. Conversar sobre suicídio facilita que a pessoa se sinta acolhida, aumentando suas chances na busca por ajuda.
6. Suicídio é um ato de desespero de quem já não percebe alternativas para lidar com a dor.

SUICÍDIO: PREVENÇÃO E CONTROLE
Suicídios são evitáveis.
• Identificação precoce, tratamento e cuidados de pessoas com uso de substâncias, dores crônicas e
estresse emocional agudo
• Redução de acesso a pesticidas, armas de fogo e medicações
• Acompanhamento de pessoas que ja tenham tentado o suicídio
• Um plano de prevenção ao suicídio em uma abordagem de saúde pública multisetorial (saúde,
educação, política, mídia)
 

COBERTURA DA MIDIA
Existe um certo tipo de convenção profissional extraoficial que determina: suicídios não devem ser noticiados. Por dois motivos básicos: 1- investigação da vida do falecido e, 2- incentivo a quem ja tem pré disposição.
A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) realizou recentemente um seminário virtual sobre as melhores práticas para noticiar suicídios, com o intuito de promover uma cobertura responsável. Especialistas em comunicação e profissionais de saúde mental de 30 países das Américas participar Entre as recomendações para uma cobertura apropriada estão:
• Evitar descrever o suicídio como inexplicável e esclarecer os sinais de alerta;
• Evitar glorificar ou romantizar o ato do suicídio e tentar apresentar uma história equilibrada sobre a pessoa;
• Evitar incluir o método, local ou detalhes da pessoa que faleceu e limitar as informações aos fatos que o público precisa saber;
• Evitar retratar o suicídio como uma resposta aceitável às adversidades da vida;
• Evitar títulos sensacionalistas;
• Evitar gráficos e fotografias prejudiciais;
• Evitar o uso de linguagem estigmatizante;
• Não compartilhar o conteúdo de cartas suicidas;
• Evitar citar a polícia ou as primeiras pessoas que presenciaram o ato;
• Apresentar recursos sempre que possível, como o telefones de linhas de ajuda
 

ALGUNS CONTATOS QUE PODEM AJUDAR:
PREVENÇÃO DE SUICÍDIO - CENTRAL DE AJUDA DO FACEBOOK
SERVIÇO DE PREVENÇÃO DO SUICÍDIO CVV -VOCÊ NAO ESTA SOZINHO, LIGUE 141 TELEFONE DA AMIZADE 22 832 35 35
LEIA MAIS: SETEMBRO AMARELO: MÊS DE PREVENÇÃO AO SUICÍDIO
 

Artigo escrito por Renata R. Arnoni - Psicóloga - CRP/SP: 112490